luis, o pastor

Portugal estava a arder.

No dia 29 de Agosto chegaram a registar-se 399 ocorrências de fogo.
O Luís, o pastor, conseguia ver alguns ao mesmo tempo desde o ponto mais alto do território continental português.
O grande incêndio da Serra do Caramulo via-se muito bem.
Mas isto era só paisagem, nada podia fazer, já estava ocupado com as suas 350 ovelhas. 
O seu pai chegava a arrebanhar 4.000 de uma só vez, mas esse tempo já foi.
E não era um pastor, tinham de ser três.
O Luís começou a ir para a Serra aos 8 anos, e ainda volta “por vício”, diz ele. Sim, porque poucos são os que ainda vão e, pode ser que o que os move, seja apenas o “vício”.
Este vício constrói-se à custa de muito isolamento e algum sofrimento, talvez muito.
Desde tempos imemoráveis, com a aproximação do Verão, os pastores do interior de Portugal subiam à Serra da estrela em busca das melhores pastagens. Com o aparecimento do Inverno, o sentido da viagem invertia.
O mundo moderno dita novos costumes, a magia e o vagar de alimentar cabras e ovelhas de zimbro e giestas parece não encaixar com a avidez de uma população a grande escala de consumir carne, leite e seus derivados, o mais depressa e o quanto mais possível a baixos preços, o que obriga à prática de métodos industriais, mais rápidos e baratos.
Luís é um dos raros que ainda se atrevem a contrariar estas forças contemporâneas.
…………………………..
Sim, há magia na transumância…
…………………………………
………………………………..
Advertisements

One thought on “luis, o pastor

  1. Sobre a carta aberta que escreveu: Por ter feito a mesma questão, e nunca ter obtido resposta por nenhum canal oficial (mail ou facebook), fui expulso do grupo de fotografia do fotoclube da guarda.
    Sugiro enviar um mail para os jornais, rádios etc, com conhecimento do fotoclube da guarda a ver se eles acordam

Os comentários estão fechados.